terça-feira, 6 de junho de 2017

Inconstância

“Que te farei, ó Efraim? Que te farei, ó Judá? Porque o vosso amor é como a nuvem da manhã e como o orvalho da madrugada, que cedo passa.”
Oseias 6:4
               O nosso Deus é o mesmo ontem, hoje e para todo o sempre (Hebreus 13:8). Em toda a Bíblia vemos o Senhor nos amar incondicionalmente como, por exemplo, no Salmo 103: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios. Ele é quem perdoa todas as tuas iniquidades; quem sara todas as tuas enfermidades; quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia” (3-4). O amor de Cristo é constante, puro e imutável. No entanto, o nosso amor e paixão por Ele pode oscilar.
               Uma das coisas que aprendemos durante a caminhada cristã é a amarmos a Deus pelo que Ele é, e não pelo que Ele faz. Olhar a natureza, contemplar os céus e a imensidão dos mares e encontrar alegria nos animais é dizer que Deus é um artista perfeito. O Senhor Jesus demonstra Seu amor para conosco em todo tempo e o tempo todo, porém, nem sempre olhamos para a criação com o amor que deveríamos. Existe uma “fase” na vida do cristão que é apaixonante. Em tudo que fazemos e enxergamos reconhecemos a grandeza e a glória de Deus, contudo, isso não deve ser considerado uma “fase” mas, sim, algo constante e permanente.
               Não sei o que o seu coração sentiu, porém, o meu doeu ao deparar-se com esse texto de Oseias, o que foi exposto acima. Não quero que meu coração tenha um amor por Jesus cuja comparação são as nuvens da manhã e o orvalho da madrugada, que cedo passa. Fazendo um paralelo com esse versículo, cito Apocalipse 2:4: “Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor”. O Senhor fala à igreja de Éfeso a respeito de conhecer as obras da mesma. Ele reconhece a perseverança existente e a luta contra os falsos mestres e suas doutrinas mentirosas. Todavia, mesmo com todo o trabalho e perseverança daquela Igreja, ela não tinha amor. O Espírito Santo, então, me lembra de 1 Coríntios 13:1-3: “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará”.
               É possível fazer a obra de Deus sem o coração queimar de amor por Jesus. Como vimos, Paulo disse que mesmo entregando o corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso se aproveitará. – Precisamos estar com o coração fervendo de amor por Deus, reconhecendo-o em todos os nossos caminhos e, enquanto isso, Ele endireita as nossas veredas (Provérbios 3:6). Minha oração é que o meu e o seu coração queime de amor por Jesus e que estejamos sensíveis a voz do nosso guia, consolador e amigo, o Espírito Santo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário